29 de fev de 2012

Desistir...



☆... Desisti. E isso é a coisa mais triste que tenho a dizer. A coisa mais triste que já me aconteceu. Eu simplesmente desisti. Não brigo mais com a vida, não quero entender nada. (…)  Odeio as frases em inglês, mas o tempo todo penso “I don’t care”. Caguei. Foda-se. (…) Não quero arrumar, tentar, me vingar, não quero segunda chance, não quero ganhar, não quero vencer, não quero a última palavra, a explicação, a mudança, a luta, o jeito. (…) Quero ver a vida em volta, sem sentir nada. Quero ter uma emoção paralítica. Só rir de leve e superficialmente. Do que tiver muita graça. E talvez escorrer uma lágrima para o que for insuportável. Mas tudo meio que por osmose. Nada pessoal. Algo tipo fantoche, alguém que enfie a mão por dentro de mim, vez ou outra, e me cause um movimento qualquer. Quero não sentir mais porra nenhuma. Só não sou uma suicida em potencial porque ser fria me causa alguma curiosidade. O mundo me viu descabelar, agora vai me ver dormir e cagar pra ele. Eu quis tanto ser feliz. Tanto. Chegava a ser arrogante. O trator da felicidade. Atropelei o mundo e eu mesma. Tanta coisa dentro do peito. Tanta vida. Tanta coisa que só afugenta a tudo e a todos. Ninguém dá conta do saco sem fundo de quem devora o mundo e ainda assim não basta. Ninguém dá conta e… quer saber? Nem eu. Chega. Não quero mais ser feliz. Nem triste. Nem nada. Eu quis muito mandar na vida. Agora, nem chego a ser mandada por ela. Eu simplesmente me recuso a repassar a história, seja ela qual for, pela milésima vez. Deixa a vida ser como é. Desde que eu continue dormindo. Ser invisível, meu grande pavor, ganhou finalmente uma grande desimportância. Quase um alivio...

 I don’t care. (Tati Bernardi ) ...☆


.

27 de fev de 2012

Ser feliz ...




☆.... Tem muita gente que se distrai e é feliz pra sempre, sem conhecer as delícias de ser feliz por uns meses, depois infeliz por uns dias... Viver não é seguro. Viver não é fácil. E não pode ser monótono. Mesmo fazendo escolhas aparentemente definitivas, ainda assim podemos excursionar por dentro de nós mesmos e descobrir lugares desabitados em que nunca colocamos os pés, nem mesmo em imaginação. E, estando lá, rever nossas escolhas e recalcular a duração de "pra sempre". ( Martha Medeiros) ...☆.


.

Meu eu (2) ..






☆.. Se apaixone pela minha dança, não pelo meu rebolado.
Pelo meu andar, não pelas minhas pernas.
Pelos meus beijos, não pela minha boca.
Se apaixone pelos meus abraços, não pelo meu corpo.
Pela minha risada, não pelo meu sorriso.
Se apaixone pelo meu olhar, não pelos meus olhos.
Se apaixone pelas minhas idéias, e não pela minha cabeça.
E por favor, se apaixone por mim e não por quem eu pareço ser!  ..☆


.

Strip-Tease ..



☆...  Chegou no apartamento dele por volta das seis da tarde e sentia um nervosismo fora do comum. Antes de entrar, pensou mais uma vez no que estava por fazer. Seria sua primeira vez. Já havia roído as unhas de ambas as mãos. Não podia mais voltar atrás. Tocou a campainha e ele, ansioso do outro lado da porta, não levou mais do que dois segundos para atender.

Ele perguntou se ela queria beber alguma coisa, ela não quis. Ele perguntou se ela queria sentar, ela recusou. Ele perguntou o que poderia fazer por ela. A resposta: sem preliminares. Quero que você me escute, simplesmente.
Então ela começou a se despir como nunca havia feito antes.

Primeiro tirou a máscara: ´Eu tenho feito de conta que você não me interessa muito, mas não é verdade. Você é a pessoa mais especial que já conheci. Não por ser bonito ou por pensar como eu sobre tantas coisas, mas por algo maior e mais profundo do que aparência e afinidade. Ser correspondida é o que menos me importa no momento: preciso dizer o que sinto´.

Então ela desfez-se da arrogância: ´Nem sei com que pernas cheguei até sua casa, achei que não teria coragem. Mas agora que estou aqui, preciso que você saiba que cada música que toca é com você que ouço, cada palavra que leio é com você que reparto, cada deslumbramento que tenho é com você que sinto. Você está entranhado no que sou, virou parte da minha história.´

Era o pudor sendo desabotoado: ´Eu beijo espelhos, abraço almofadas, faço carinho em mim mesma tendo você no pensamento, e mesmo quando as coisas que faço são menos importantes, como ler uma revista ou lavar uma meia, é em sua companhia que estou´.

Retirava o medo: ´Eu não sou melhor ou pior do que ninguém, sou apenas alguém que está aprendendo a lidar com o amor, sinto que ele existe, sinto que é forte e sinto que é aquilo que todos procuram. Encontrei´.

Por fim, a última peça caía, deixando-a nua
´Eu gostaria de viver com você, mas não foi por isso que vim. A intenção é unicamente deixá-lo saber que é amado e deixá-lo pensar a respeito, que amor não é coisa que se retribua de imediato, apenas para ser gentil. Se um dia eu for amada do mesmo modo por você, me avise que eu volto, e a gente recomeça de onde parou, paramos aqui´.

E saiu do apartamento sentindo-se mais mulher do que nunca. ..☆

☆... (Martha Medeiros) ...☆

.

26 de fev de 2012

Emoção em sopros ...






☆… Existe um lugar especial no mundo
Reservado somente pra você
Pode ficar além das montanhas
No louco alvoroço de uma cidade
Perto de um mar muito azul
Bem depois do deserto dourado
Se já pecorreu caminhos, atalhos, ruas e estradas
E ainda não o encontrou
Experimente procurar dentro de você. (Sílvia Mello) …☆


.

Viver ...



☆... Correr descalça na praia
rolar na areia molhada,
gritar a plenos pulmões
deixando o vento levar
os gritos para o alto mar!...

Deixar perder-se o olhar
- embriagado de horizontes –
num céu de perder de vista,
enchendo a alma de azul!...

Jogar-se n’água gelada,
sentir o corpo arrepiar-se,
menos de frio que prazer...
Pular ondas, mergulhar;
ser criança, ser sereia,
ser peixe, ser mar, areia,
onda, espuma, vento sol!

Sonhar, sonhar simplesmente,
longe do mundo real.
Ser parte da natureza,
integrar-se na paisagem,
ser o que bem entender
- ou até mesmo, nada ser -
num tempo e espaço só nossos
- um paraíso pessoal...

Viver, existir somente,
deixando o tempo passar
num simples “dolce far niente”...


.

Mulheres que amam de menos...



☆... Eu quero dar meu depoimento. Creio ter um problema. Se mulheres que amam demais são aquelas que sufocam seus parceiros, que não confiam neles, que investigam cada passo que eles dão e que não conseguem pensar em mais nada a não ser em fantasiosas traições, então eu preciso admitir: sou uma mulher que ama de menos. [ ...]

Segundo o que tenho visto por aí, meu diagnóstico é lamentável: eu o amo pouco. Será?

Obsessão e descontrole são doenças sérias e merecem respeito e tratamento, mas batizar isso de "amar demais" é uma romantização e um desserviço às mulheres e aos homens. Fica implícito que amar tem medida, que amar tem limite, quando na verdade amar nunca é demais. O que existe são mulheres e homens que têm baixa auto-estima, que tem níveis exagerados de insegurança e que não sabem a diferença entre amor e possessão. E tem aqueles que são apenas ciumentos e desconfiados, tornando-se chatos demais.

Mas se todo mundo concorda que uma patologia pode ser batizada de "amor demais", então eu vou fundar As Mulheres que Amam De Menos, porque, pelo visto, quem é calma, quem não invade a privacidade do outro e quem confia na pessoa que escolheu pra viver também está doente. (Martha Medeiros) ...



.

Quero acreditar ...




☆ … Era uma vez o País das Fadas.
Ninguém sabia direito onde ficava, e muita gente
(a maioria) até duvidava que ficasse em algum lugar.
Mesmo quem não duvidava (e eram poucos) também
não tinha a menor idéia de como fazer para chegar lá.
Mas, entre esses poucos, corria a certeza que, se
quisesse mesmo chegar lá, você dava um jeito e acabava chegando.
Só uma coisa era fundamental (e dificílima):

ACREDITAR! … (Caio Fernando Abreu).. ☆


.

A musica da vida...




☆ .. A música acontece no silêncio.
É preciso que todos os ruídos cessem.
No silêncio, abrem-se as portas de um
mundo encantado que mora em nós…
A alma é uma catedral submersa…
Somos todos olhos e ouvidos…
Ouvimos a melodia que não havia,
que de tão linda nos faz chorar.
Para mim Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio.
Daí a importância de sabem ouvir os outros: a beleza mora lá também.
Comunhão é quando a beleza do outro
e a beleza da gente se juntam num contraponto…(Rubem Alves) .. ☆

 .

... As estrelas me fazem rir ...




☆.. - E quando te houveres consolado (a gente sempre se consola), tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo. Terás vontade de rir comigo. E abrirás às vezes a janela à toa, por gosto… E teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Tu explicarás então: “Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!” E eles te julgarão maluco. Será uma peça que te prego… (Antonie de Saint-Exupéry) ..☆


.

25 de fev de 2012

Meu eu ...



☆… Busco-me
Nas profundezas do meu eu
onde o mais sensível sentimento
encontra-se com a essência da essência…
Que de tão puro e transparente
assemelha-se à fragilidade do cristal…
Basta um leve toque, um simples choque
e ele se desfaz…
É aí que me encontro,
que me confronto,
que me estilhaço,
que me perco e me acho,
me desabafo das tensões do dia,
dos meses sem fim,
do ano que não termina,
do novo que nunca vem…
Soluço de mansinho
pra não me fragmentar
e junto com meu pranto
tento deixar rolar
as dores já vencidas,
as mágoas corroídas
e todo o desencanto
da estupidez da vida. …☆

.

Meus passos ...



☆… Desde pequena eu venho ensaiando estes passos, rabisco alguns caminhos, traço alguns planos. Coloco o primeiro pé na frente, logo após eu faço o mesmo com o outro e levo comigo apenas a minha memória, um caderninho, um lápis e a minha boa e velha fé.
Tarefa difícil essa de andar!! Vacilei em alguns momentos, passou pela minha cabeça voltar para onde eu estava, mas o vento das boas novas balançou os meus cabelos e mostrou que o caminho é para frente, reto e sem curvas.
Me deparei com sensações novas. Tive certeza de que ia esquecer que cheguei até ali sozinha… Realmente eu esqueci. Acabei depositando todo o meu esforço feito para chegar até onde cheguei em pegadas que não eram minhas.
Fui marcada e marquei alguns sorrisos, outras vezes a lágrima veio me fazer companhia, mas eu não desisti… Retomei o meu caminho e segui. Eu, eu mesma e estes passos…
As tempestades apareceram, me derrubando algumas vezes, retardando a minha caminhada. E em algumas quedas tive medo de me levantar, de continuar e houve momentos que perdi as esperanças, mas levantei e fui.
O que importa realmente não é para onde ou com quem, ou ainda, o que vai encontrar no caminho. O importante é que você precisa ir, independente de qualquer coisa, ficar parado no mesmo lugar não é solução para nada.
Eu não sei quando (re)comecei a dar os meus passos….
Muitas pessoas pensam que, na vida, o bom é suficiente, e por isso não buscam dar estes passos e acabam tendo uma vida mediocre.
Outras pessoas começam as dar os passos mas de repente se colocam naquela velha expressão “dá um passo á frente e dois a trás”, e acabam voltando ao ponto inicial ou mesmo regredindo ainda mais.
E tem aquelas que não se importam com as pedras no caminho, e seguem em frente, mesmo com dúvidas, elas sentem e sabem que é melhor, tentar evoluir, com determinação.
Estas são as pessoas que valem a pena, as que fazem valer a pena o breve sopro de vida que têm. Estou “trabalhando” para chegar nesse estágio. Sei que consigo!!
Eu não sei quando (re)comecei a dar meus passos…
Mas não ensaio mais, pois estou mais firme no andar e agreguei, aos passos, o meu humor, o meu sorriso, as minha emoções.
Eles estão nas minhas linhas tortas, nesse devaneio tolo! Mas sei que estão na minha verdade!!
Por isso eu nao vejo o “horizonte” prefiro ver o “o próximo passo” e com isso continuar indo. . sempre em frente! Não tenho pressa, pois ela é inimiga da perfeição!!
E sigo sem me iludir, pois em meus pequenos passos aprendi que passado é peso morto!! E aprendi também que é tudo questão de escolhas.
E eu (re)comecei a andar de verdade.. sem mentiras, sem falsas caricaturas, sem máscaras… pois NÃO faço da minha vida um carnaval!!!
Sigo com Deus sempre!! E como diria Pe. Fábio de Melo.. “Há pessoas que nos roubam… mas há pessoas que nos devolvem.” !!! …☆

.

22 de fev de 2012

Etecetera...



☆… Eu sempre preferi as reticencias, o etc..

Não me dou bem com pontos finais.
O meu coração nunca deu conta de encerrar ciclos, lidar com perdas, de guardar saudades que não se pode matar.
Eu sou assim, um alguém sem fim, entregue, e desejando o abandono.
Abandono dos dias arrancados da folhinha do calendario, das tardes em que o sol ficou cinza, e das noites em que as estrelas resolviam brincar de se esconder..
Muito embora , terminar alguém dentro de mim seria o mesmo que me acabar, e isso eu não sei fazer, não... Não aprendi e nem quero...
Quem vai, sempre rouba um pouco de mim, ou sou eu a permitir que uma parte de mim seja levada...
É tanta gente que parte, que segue em frente, que passa...
Desse modo irei me findar ainda viva, mas eu acredito, que algum "pra sempre" vira para acabar e algum infinito ira chegar e não tera o mesmo fim... Enquanto isso, vou tentando organizar um espacinho aqui dentro para todo mundo que ainda mora em mim! ...☆



 .